Pesquisa aponta 10 milhões de empregos por meio da energia renovável

07/11/2019

Prime Energy
Research

Segundo estudo realizado pela Agência Internacional de Energia Renovável (Irena), localizada nos Emirados Árabes Unidos, as fontes de energia eólica, energia solar por aquecimento, energia solar fotovoltaica e hidrelétrica, que geram energia através de recursos naturais, apresentaram um contingente alto de empregabilidade no mundo no ano de 2017. Somam-se 10,3 milhões de postos de trabalho criados, com aumento de 5,3% se comparado com o ano anterior, totalizando 500 mil empregos a mais.

São inúmeras as possibilidades e áreas de atuação no processo de planejamento e instalação dos equipamentos dessas energias. É possível atuar no controle de eficiência de novas fontes energéticas por meio de um condomínio ou de uma rede hoteleira, por exemplo. Além dos campos de gestão ambiental, engenharia elétrica etc.

A China, isoladamente, possui 43% dos empregos gerados. Além dela, segundo dados da Irena, que oferece apoio aos países para um futuro energético sustentável com mais de 170 membros, alguns dos maiores geradores de empregos no mundo são a Alemanha, o Brasil, os Estados Unidos, o Japão e a Índia.

Ainda são poucas as nações que apresentam a maior parte desse resultado. Mesmo que esses países tenham percebido vantagens socioeconômicas, a energia sustentável em ambientes domésticos ainda é incerta, segundo a Agência.

A energia solar fotovoltaica é a principal fonte geradora, apresentando 3,37 milhões de empregos em 2017, com cinco países representando 90% de todas as vagas na área: Índia, Bangladesh, Japão, China e Estados Unidos. São grandes empregadores no campo mundial de energia solar em todo o mundo.

É possível identificar no estudo realizado pela Irena que a situação é localizada, demonstrando melhores apontamentos econômicos, sociais e ambientais em nações que incentivam o setor de energia renovável. Pelos altos índices de empregabilidade, é possível perceber que essa energia se tornou pilar de crescimento econômico de baixo carbono para governos no mundo todo.

O crescimento é esperado para o futuro, indicando que a importância da energia renovável é proporcional ao desenvolvimento das tecnologias, segundo levantamento da Agência.

Um conjunto de influências justifica a ascensão da energia renovável no Brasil. As principais são incidência da luz solar, estratégias de grandes empresas, relevo, questões geográficas, hidrografia e políticas governamentais.

Os números de postos de trabalho na produção, geração e distribuição da energia renovável marcam 12 mil em pequenas hidroelétricas, 42 mil em aquecimento solar, 10 mil em energia solar fotovoltaica, 34 mil em energia eólica e 795 mil oportunidades nos biocombustíveis líquidos. São, com exceção das grandes hidrelétricas, 893 mil vagas em 2017, segundo dados da Irena.

A potencialidade da energia solar ainda foi pouco explorada, começando seu crescimento em 2012 no País e representando apenas 1% da matriz elétrica nacional, segundo dados da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (Absolar).

WhatsApp