Novas análises no setor elétrico estruturam cenário para retomada da economia

15/07/2020

Prime Energy
Research

Segundo dados apresentados pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), entre os dias 1 e 26 de junho houve redução de, em média, 4,7% no consumo de energia no Brasil se comparado ao mesmo período de 2019. Neste caso, a relação é de 4,6% de queda no mercado regulado e 5% para o mercado livre de energia, visto que o aumento do consumo residencial amenizou o efeito no ambiente regulado. Estas informações, junto da flexibilização das medidas de isolamento social em algumas cidades, apontam para a tendência de retomar gradualmente a demanda por energia.

O que justifica esta expectativa é a comparação com os dois meses anteriores ao mês de análise.  Para o Ambiente de Contratação Regulado (ACR), houve diminuição de 10,9% no consumo em maio e 11,5% em abril. No Ambiente de Contratação Livre (ACL), a redução foi de 9,7% em maio e 13,6% em abril. Embora preliminares, estes dados consideram o consumo total nos mercados cativo e livre, excluindo somente Roraima de sua contabilização, já que é o único estado brasileiro não interligado ao sistema elétrico do País.

Se observarmos os segmentos de atividades, o consumo verificado ainda foi menor neste mês de junho do que no mesmo mês do ano passado. Porém, há indicativos nestes percentuais que sugerem a desaceleração na queda que o mercado tem enfrentado. Para alguns ramos em específico, a queda referente à migração para o mercado livre se mostrou bastante significativa. As médias para as indústrias automotiva e têxtil e para o setor de serviços são, respectivamente, 49%, 42% e 36% menor que no mesmo período de 2019.

Índices por região

Classificando a análise de acordo com as regiões geográficas, os dados emitidos pela CCEE consideram o período entre os dias 21 de março e 26 de junho. Nesta análise, o Rio de Janeiro teve a maior queda no desempenho de consumo de energia elétrica de todo o Sudeste, com -15% em relação ao ano passado. Ao Sul, este lugar é ocupado pelo Rio Grande do Sul, com queda de 11%. No Centro-Oeste, o estado de Mato Grosso do Sul teve a maior redução, com -6%; no Nordeste, a Bahia, com índice de -12%; e, por fim, ao Norte, a maior queda foi a do Acre, com -8%.

Considerando o desempenho dos estados de maneira geral, o estado do Rio de Janeiro representou a maior queda do País, sendo seguido por Espírito Santo, cuja queda foi de 13%. Alguns estados, porém, apresentaram alta nos desempenhos. Devido à retomada de alguns segmentos econômicos e à baixa redução no mercado regulado nestes estados, Amapá aumentou seus índices em 3% e Maranhão em 1%. O estado do Pará, por ter retomado as atividades de uma indústria de alumínio paralisadas durante 2019, teve alta de 5%.

Instrumentos de análise de dados

Como forma de facilitar o acesso e cruzamento de informações relativas ao consumo de eletricidade, a CCEE disponibilizou uma ferramenta criada a partir da plataforma Tableau. Atualizado semanalmente, o instrumento permitirá filtrar os dados de acordo com o ramo de atividade, estados, ambientes de contratação e submercado, por exemplo, possibilitando o download de informações do setor dos últimos dois anos.

WhatsApp