Notícias

Governo deve aumentar a 'taxa extra' das bandeiras tarifárias na conta de luz

O governo federal deve elevar o valor do sistema de bandeiras tarifárias para tentar conter a crise no setor elétrico. O sistema passou a vigorar em 1º de janeiro deste ano e vem gerando, nas contas de luz, um acréscimo de R$ 3 para cada 100 [...]


O governo federal deve elevar o valor do sistema de bandeiras tarifárias para tentar conter a crise no setor elétrico. O sistema passou a vigorar em 1º de janeiro deste ano e vem gerando, nas contas de luz, um acréscimo de R$ 3 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos.

Os novos valores ainda não foram definidos, pois os custos que o governo pretende cobrir com a receita ainda não foram estabelecidos. Entretanto, a expectativa é de que o aumento gire em torno de 30% e 40%.

As bandeiras tarifárias funcionam como um alerta aos consumidores na conta de luz e variam com os custos de geração de energia. A bandeira verde não implica acréscimos. A bandeira amarela aumenta R$ 1,50 para cada 100 kWh consumidos no mês. Já as bandeiras vermelhas, que vigoraram em janeiro e fevereiro, indicam que está muito caro gerar energia no País, graças ao uso das termelétricas. Nessa condição, o consumidor paga R$ 3 para cada 100 kWh de energia usados no mês. Os recursos arrecadados por meio das bandeiras são usados para pagar o combustível para as termelétricas.

O reajuste das bandeiras busca levantar dinheiro para balancear custos extras do setor. Em 2014, os custos extras foram cobertos com empréstimos bancários no valor de R$ 17,8 bilhões. Os consumidores irão pagar esses empréstimos com juros. Segundo o Tribunal de Contas da União (TCU), esses R$ 17,8 bilhões emprestados vão custar à população R$ 26,6 bilhões, encarecendo as contas de luz.

Foi anunciado ainda novo empréstimo em 2015 para pagar os gastos extras de novembro e dezembro do ano passado. Foram emprestados R$ 2,5 bilhões, e o pagamento final para os consumidores, incluindo os juros, será de R$ 30 bilhões.

No dia 29 de janeiro, Eduardo Braga, ministro de Minas e Energia, disse estar negociando uma redução dos juros sobre os empréstimos e um aumento do período em que a cobrança dos empréstimos seria repassada às contas de luz, estendendo os pagamentos até 2018.

O governo também está estudando estimular a eficiência no consumo de energia. Braga afirmou ainda que haverá um sistema de premiação para quem economizar. “Nós estamos analisando, não no âmbito de incentivo fiscal, alguma forma de premiar a eficiência energética”, disse após reunião na sede do Operador Nacional do Sistema (ONS), no Rio.

O principal gasto bancado pelos empréstimos no ano passado foi com a compra de energia pelas distribuidoras no mercado à vista, onde ela é mais cara. Em 2015, o aumento das bandeiras tarifárias deverá ser a principal fonte de arrecadação de recursos.
Quando a energia está escassa nas distribuidoras para atender seus consumidores, as empresas recorrem ao mercado à vista. Em 2014, o preço da eletricidade disparou com o esvaziamento dos reservatórios, gerando uma conta bilionária. Porém, o preço dessa fatura vai cair em 2015, pois a ANEEL aprovou uma redução, cortando pela metade o máximo do valor que pode ser cobrado pela energia no mercado à vista, de R$ 822,83 para R$ 388,48 por megawatt-hora (MWh).

Segundo um técnico do setor elétrico envolvido com a mudança no sistema de bandeiras, a vantagem da medida está em evitar que a tarifa permaneça alta mesmo sem necessidade. Assim, por exemplo, se os recursos necessários forem arrecadados até meados de 2015, a ANEEL poderá mudar imediatamente a cor da bandeira vigente.

Ao que tudo indica, o aumento das bandeiras tarifárias não será suficiente para evitar um reajuste extraordinário das tarifas, portanto é provável que os consumidores tenham dois reajustes nas contas de luz este ano.


Tags: Aumento Aumento de Energia Bandeiras Tarifárias Crise de Energia Crise Energética Energia Mercado Livre de Energia Mercado Livre de Energia Elétrica Novas Tarifas ONS Operador Nacional do Sistema Elétrico Preço de Energia Reajuste Tarifa de Energia Taxa Extra das Bandeiras Tarifárias Termelétrica Termelétricas

Compartilhe essa notícia:
Fale Conosco
São Paulo
  • Alameda Santos, 1.940 – Conj. 22
    Cerqueira César - São Paulo – SP – CEP 01418-102
  • Tel.: +55 11 4564-4600 / +55 11 2730-6370
  • contato@primeenergy.com.br
  • Segunda a sexta-feira: das 9h às 18h
Londrina
  • Avenida Higienópolis, 1601, sala 1105
    Jardim Higienópolis - Londrina – PR – CEP 86015-010
  • Tel.: +55 43 3037-6660
  • contato@primeenergy.com.br
  • Segunda a sexta-feira: das 9h às 18h
Fortaleza
  • Rua Dr. Gilberto Studart, 55 – Sala 314 T1
    Cocó - Fortaleza – CE – CEP 60192-105
  • Tel.: +55 85 2180-5080
  • contato@primeenergy.com.br
  • Segunda a sexta-feira: das 9h às 18h

Prime Energy
Alameda Santos, 1.940 – Conj. 22 - Cerqueira César, São Paulo - SP, 01418-102, Brasil
-23.5604012
-46.659493
Telefone: +55 11 4564-4600
Telefone: +55 11 2730-6370
contato@primeenergy.com.br