Notícias

Ampliação do Mercado Livre de Energia tem como barreiras os contratos de longo prazo das distribuidoras

A aprovação do projeto de lei da portabilidade da conta de energia tem como principal desafio o que fazer em relação às distribuidoras. A contratação de longo prazo das geradoras esbarra na regra de que essas empresas podem ultrapassar seus contratos...


A aprovação do projeto de lei da portabilidade da conta de energia tem como principal desafio o que fazer em relação às distribuidoras. A contratação de longo prazo das geradoras esbarra na regra de que essas empresas podem ultrapassar seus contratos em apenas 5% da demanda, para que não incorram penalidades sobre as concessionárias.

Uma das opções para contornar essa situação é fazer a migração do mercado regulado para o livre de forma escalonada e gradual até 2022, como consta do texto do PL 1917/2015, que tramita na Câmara dos Deputados. A proposta de lei que libera o mercado poderia prever a substituição da declaração da obrigatoriedade de contratação para o período de cinco anos. Outro ponto que se abre é de que as concessionárias possam negociar seus Contratos de Comercialização de Energia no Ambiente Regulado (CCEAR). A abertura gradual do mercado deve contribuir com o planejamento das empresas para evitar um impacto grande sobre elas. Além disso, alguns agentes defendem o direito de as empresas de fazer leilões com seus contratos de energia.

Segundo Roberto Castro, conselheiro da CCEE, as distribuidoras são um ponto importante da questão e precisam ser bem estudadas para que o setor consiga continuar a evoluir. Castro aponta que a abertura do Mercado Livre de Energia deve ser remunerada por serviços de medição e de agregação de dados que são repassados à Câmara. Nesse cenário, seria possível usar o sistema atual de medição.

As comercializadoras dessas distribuidoras, graças ao volume de energia que possuem, têm condições de ser fortes concorrentes no mercado de energia liberalizado e perderão as vendas apenas se estabelecerem preços muito altos – ou seja, se quiserem repassar custos adicionais, outro competidor pode abrir mão deles e ofertar um valor de energia mais baixo.

Outro ponto que deve ser bem avaliado é a abertura de um Mecanismo de Compensação de Sobras de Déficits (MCSD) para o Mercado Livre de Energia. Além disso, as sobras poderiam ser vendidas ao mercado para evitar que essa energia fosse ‘descartada’ ao ser liquidada ao PLD e classificada como um péssimo negócio para o País, o que precisa ser alterado.


Compartilhe essa notícia:
Fale Conosco
São Paulo
  • Alameda Santos, 1.940 – Conj. 22
    Cerqueira César - São Paulo – SP – CEP 01418-102
  • Tel.: +55 11 4564-4600 / +55 11 2730-6370
  • contato@primeenergy.com.br
  • Segunda a sexta-feira: das 9h às 18h
Londrina
  • Avenida Higienópolis, 1601, sala 1105
    Jardim Higienópolis - Londrina – PR – CEP 86015-010
  • Tel.: +55 43 3037-6660
  • contato@primeenergy.com.br
  • Segunda a sexta-feira: das 9h às 18h
Fortaleza
  • Rua Dr. Gilberto Studart, 55 – Sala 314 T1
    Cocó - Fortaleza – CE – CEP 60192-105
  • Tel.: +55 85 2180-5080
  • contato@primeenergy.com.br
  • Segunda a sexta-feira: das 9h às 18h

Prime Energy
Alameda Santos, 1.940 – Conj. 22 - Cerqueira César, São Paulo - SP, 01418-102, Brasil
-23.5604012
-46.659493
Telefone: +55 11 4564-4600
Telefone: +55 11 2730-6370
contato@primeenergy.com.br